Sobre

Porto Liberal, uma rota direta ao Coração

Pertencer. Palavra-chave de humanidade.

A capacidade de constituir e manter relações – a capacidade de pertencer -, constitui uma força fundamental que perpassa toda a Humanidade. Nascemos e crescemos no contexto do nosso “clã”, família, comunidade, cultura… Sem outros, sem pertença, não sobrevivemos nem prosperamos. Esta necessidade biológica é tão poderosa que quando os cuidadores de uma criança lhe transmitem sinais de não ser desejada, querida – de não pertencer -, as redes neurais do cérebro podem ativar uma resposta de desligamento, “shut down”. Mesmo que disponha de calorias (alimento), a criança pode perder peso e mesmo morrer. Mais, esta necessidade de constituir e manter relações não se limita ao presente…temos necessidade de estabelecer uma ligação às pessoas do nosso passado. Se não nos for proporcionada a possibilidade de estabelecer esta conexão – esta narrativa -, será quase impossível sonhar o futuro.

Mas o Porto…ah, o Porto alimenta-se de futuro, pois o seu sonho está enraizado na herança de liberdade, prosperidade, igualdade e tolerância… do Porto Liberal.

A Rota que agora lhe propomos está aquém e além, antes e depois do objetivo de apenas dar a conhecer o Cerco do Porto. Queremos e cremos que através dos lugares, edifícios, ruas, paisagens, coleções, memórias…, poderá conectar-se com as pessoas que, no século XIX, fizeram Invicta esta que já era a “mui nobre e sempre leal” Cidade do Porto.

Comecemos. Onde quer que seja, onde quer nos encontremos.

O primeiro passo é sempre o da utopia. O Douro, sobretudo na época contemporânea, foi sinal de abertura ao mundo, às trocas comerciais mas também às ideias, inovadoras e progressistas que, maré a maré, livro a livro, embeberam os portuenses no desejo de transformação política, económica e social.

Segundo passo. O caminho da transformação é a decência. Poderá isto parecer estranho? É decente aquela sociedade que não humilha os seus membros, cuida dos perdedores e protege os frágeis; é decente a sociedade que assume a responsabilidade moral de incluir. Não é pois decência que podemos entrever na trilogia Liberdade, Igualdade, Fraternidade, concebida em pleno século das Luzes sob inspiração do ideal do liberalismo, e que iluminou a Revolução Francesa? A um tempo, esta trilogia foi um objecto de combate político e um projecto de mudança nas estruturas sociais vigentes durante o Ancien Régime.

Terceiro passo. O meio da transformação é a hospitalidade. Atributo das gentes do Porto, pois com certeza. E mais? A hospitalidade é marca do humano, já que a civilização deu um passo decisivo, talvez o (único) passo decisivo, no dia em que o estrangeiro, de inimigo (hostis) se transformou em hóspede (hostes). Esta passagem deve dar-se sempre e repetidas vezes, e cada geração deve ser educada para realizar essa passagem e não voltar a cair nas lógicas mortíferas de contraposição entre “nós” e “eles”. Hospitalidade. Assim foi o Porto para D. Pedro e para com os valores liberais. Coração aberto para acolher, vidas entregues para defender. É por isso que esta é uma rota direta ao Coração. Se “amor com amor se paga”, corações com Coração se resgatam!

Passos para mais? São os seus… venha daí!

Hit enter to search or ESC to close