A Rota

O confronto entre ideais, no início do século XIX, marcou fortemente o Porto. Desde a Revolução de 1820 até à vitória liberal na Guerra Civil de 1832-34, a cidade viveu intensamente o confronto entre estes dois mundos, duas formas de organização social, económica, religiosa e de mentalidades. Em 1829 os absolutistas no poder mandam enforcar em praça pública os homens que ficaram conhecidos como Os Mártires da Liberdade, exibindo as suas cabeças decepadas, como forma de aviso aos demais revoltosos.

Palco de confrontos entre as duas facções em luta – Liberais e Absolutistas –, lideradas pelos dois príncipes irmãos, D. Pedro e D. Miguel, o Porto sofreu um cerco de 13 meses (1832-33) que deixou marcas profundas na cidade e levou a um sofrimento atroz da sua população. Estas marcas perduraram na memória urbana, nas suas ruas e lugares, mas também na música, nas artes, na arquitetura.

A Rota PORTO LIBERAL lança-lhe o desafio de descobrir os lugares associados a esse tempo de luta e o coração do Rei Soldado, também libertador do Brasil e seu primeiro imperador, enquanto país independente.


Museu Militar do Porto

Rua do Heroísmo

Biblioteca Pública Municipal do Porto

Rua do General Sousa Dias

Mosteiro da Serra do Pilar

Casa dos Guedes da Silva Fonseca

Igreja dos Congregados

Praça da Liberdade

Museu e Igreja da Misericórdia do Porto

Cadeia e Tribunal da Relação do Porto

Academia Real da Marinha e Comércio

Museu Nacional Soares dos Reis

Quartel-General de D. Pedro IV

Rua dos Mártires da Liberdade

Quartel de Santo Óvídio

Igreja de Nossa Senhora da Lapa

Hit enter to search or ESC to close